quinta-feira, 11 de novembro de 2010

VOLTANDO-JOANA D'ARC M.A.MATA


As vezes se faz necessário fugir de nós
Para poder nos encontrar
E quando nos encontramos
muitas vezes nos da vontade fugir
Ser humano é ser incógnita
é ser infinito
é ser em busca do saber
saber pra ser
ser para que
uma vez que mesmo sabendo
imaginando se conhecer
todos os nossos passos
nos leva para o não sei

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

VOANDO PELA PRIMAVERA - poesia de JOANA D'ARC MEDEIROS DE AZEVEDO

VOANDO PELA PRIMAVERA - poesia de JOANA D'ARC MEDEIROS DE AZEVEDO

Quando chega setembro
Me solto com a brisa
Faço-me perfume
E me deixo sonhar

E em retalhos me corto
Teço-me em mil fios
Da cor do calor
E me deixo amornar

E com o perfume da brisa
Em sonhos de retalhos
Costuro minhas magoas
E me deixo despertar

E nas tardes mornas
Do mês de setembro
Faço-me esperança
E me deixo viajar

Pra viver
Reviver
Antes do anoitecer
De mais uma primavera

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

SALVE O CORINTHIANS! JOANA D'ARC MEDEIROS DE AZEVEDO DA MATA




No quintal o cheiro do churrasco já não exala
Mas as pipocas pulam no fundo da panela
Bandeiras tremulando na janela
No campo o grito de entusiasmo que não cala

A hora é esta, vamos à luta!!!
Domingão de muita aposta e tormenta
Bate forte coração, não pare, agüenta...
E a cada instante a pressão aumenta

E o esperado gool finalmente acontece
Com alegria, nossa gente o sofrimento esquece
E esquecida àquela agonia crucial
No final do domingo, felicidade geral

Todo jogo é sofrido, mas o time é forte
Corintiano autentico é feito de garra e fidelidade,
Torcer pelo Corinthians além de privilégio é sorte
É ser gavião fiel na alegria e adversidade


JD 037

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

RELEMBRANDO - JOANA D'ARC MEDEIROS DE AZEVEDO DA MATA




Desde os tempos mais remotos
Que o homem caminha em busca do saber
Uns com experiências outros com experimentos
Mas poucos são os que conseguem entender

Não sei o que falta, ao ser humano,
Se a ele Deus legou a fonte do saber
Na verdade, a maioria ignora;
Ou justifica: falta tempo para aprender

É importante para um cristão esta sempre alerta
Alias ate mesmo para aquele que “se diz ateu”
Seguir com Deus, pois a vitória e certa
Esta nas escrituras e assim Ele prometeu

Embora as dificuldades nos ensine a crescer
Nem sempre aceitamos nossos problemas resolver
As vezes nos acomodamos: Deus decidiu assim, nada nos resta fazer
Quando o ideal seria nos perguntar o que deixamos de fazer?

Deus não decide errado Ele esta sempre a ensinar
Mas a maioria insiste em não queremos enxergar
Na bíblia esta escrito, não tem como negar
Precisamos é de fé para com sabedoria interpretar

É importante estar alerta para poder perceber
Que Deus tem para cada um plano, temos que entender
E com Sua extraordinária sensibilidade auditiva
Ele sempre nos escuta, orienta e incentiva

Lendo êxodo trinta e três, quinze
Moisés nos deixa uma orientação
“SE A TUA PRESENÇA NÃO FOR CONOSCO
NÃO NOS FAÇAS SUBIR DESTE LUGAR”.

Mas infelizmente a franqueza
Ainda habita em nossos corações
Queremos a terra prometida
Mas continuamos a ser um povo de dura cerviz

E os corações de pedra em sua marcha desencontrada
Estão sempre buscando em tudo uma explicação
Repetindo os erros de um povo que pelos séculos passou
Construindo falsos ídolos e com eles vivendo em comunhão.

Mas a palavra de Deus esta tão clara
Temos que estar alerta para não esquecer
“TEREI MISERICÓRDIA DE QUEM TIVER MISERICÓRDIA”,
E ME COMPADECEREI DE QUEM ME COMPADECER”

JD 036

sábado, 7 de agosto de 2010

INTROSPECÇÃO - JOANA D'ARC MEDEIROS DE AZEVEDO DA MATA




Quero agradecer-te Pai amado
Pelos momentos de tristeza e solidão
Pois mesmo me sentindo amargurado
Contei sempre com a tua orientação

Quero te pedir meu Redentor
Para que mesmo em desespero me ajudes a sentir
A grandiosidade do teu amor
Assegurando assim o caminho que devo seguir

Quero que me ensines Misericordioso
A ganhar com meus erros a chance de aprender
E a sabedoria para conseguir me reerguer

E a enxergar no ódio uma ponte para o amor
Quando abandonado a certeza que vou me encontrar
E que pela fé a confiança sempre vou alcançar

JD 035

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

INTROSPECÇÃO - video-poema DE Joana d'Arc Medeiros de Azevedo da Mata

FRAGMENTOS - JOANA DARC MEDEIROS DE AZEVEDO DA MATA




No silencio da noite me agasalho em poesia
Quando Deus se faz presente no meu coração
Ilhados meus devaneios misturam-se na areia
E se estilhaçam em fragmentos de solidão

Pensamentos corrompidos varrem minha alma pagã
Fagulhas de tormentos passam a tombar
E num anseio de verdade e entrega
Meus venenos mortais agônicos seguem a se deflagrar

Minha sordidez Tropeça
Uma sede de amor avança
E da fé sou força

No requebro do vento sou vendaval
Vaso quebrado, quebrantado, temporal
Reconstruída, puro lírio angelical

JD 034

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

VIDEO-POEMA - TRÉGUA - JOANA D'ARC M. A. MATA

TRÉGUA - JOANA DARC MEDEIROS DE AZEVEDO DA MATA




Estou prisioneira em meu próprio corpo
Alma nômade, coração que sangra
Olhos ávidos para descortinar novas paisagens
Mão esquerda recusando a aprender a escrever

Pensamentos desencontrados, vendaval
Dores insuportáveis, castigo cruel
Corpo cansado, pedindo pra deitar
Pernas que se recusam a caminhar

Mas nos momentos de trégua quando a dor cochila
Fecho os olhos e flutuo no azul do mar
Roubo das flores a suavidade do perfume
ouço inebriada, um beija-flor a trissar

E na solidão dos meus pensamentos
As margens da dor e da esperança
rendo-me aos planos do grande arquiteto
que edifica minh’alma com sabedoria e resignação

“Feliz a nação cujo Deus é o Senhor”
E Ele habita o meu coração.
Portanto “ o choro pode durar uma noite,
Mas a alegria vem com o amanhecer”

JD 033 /

video- poema SÃO JOÃO DO SABUGI- JOANA DARC M.A.MATA

terça-feira, 27 de julho de 2010

São João do Sabugi - Joana darc M. A. Mata


São João do Sabugi



Foi assim que começou minha viagem
em cada trecho uma construção de imagem
Explorando caminhos buscando a miragem
Olhos no presente, mas com o passado à margem

Rasguei o peito em busca da criança
Pai lavrador, mãe esperança
Barracas montadas, muita festança;
Tempos modernos. Quanta bonança!

Meu coração quase parou de alegria
Quando vi o sol que vagaroso partia
Num céu em perfeita harmonia
Tão azul que no ar sugeria poesia

E aquela minúscula cidade tornou-se gigante
Respirei com dificuldade, arquejante...
Sentia-me pequena, instante,
Inerte, esvaziada, distante.

Li em cada rosto uma promessa
Garra para vencer sem tanta pressa
E eu viajante do tempo, intrusa.
Olhando as raízes, me vi poderosa.

Resgatei do tempo minha história
Sem louros, mas com muitas vitórias,
Coragem, aventuras e ousadia,
Pinceladas de lágrimas de tristezas e alegrias


O céu escurecia e espalhava a calmaria
Enquanto o orvalho nas flores se dividia
Minha alma inebriada com tanta sincronia
Explodiu em meu peito fragmentos de harmonia


Pouco verde, muita rocha, fortaleza
Mãos calejadas,rostos sofridos,proeza
Pouca chuva, sol que queima, dureza
Sertanejos de coragem e nobreza


São João do Príncipe, terra majestosa
Fundada a sete léguas do rio Sabugi
Guardiã de uma vegetação de rara beleza
Berço inicial dos índios cariris

Quanta ternura em terra de tanta dureza
Até a raiva se fez doce e seu sabor é uma beleza
Bordadeiras com mãos de princesa
Seus trabalhos são dignos de ser usados pela realeza

Casas muito brancas quase rentes ao chão
Como se exaltassem do seu povo a tradição
Noites mornas, céu estrelado em toda sua extensão
Fala mansa, muita calma e exatidão

A cidade guardada nos meus sonhos se edificou
A emoção em meu coração se espalhou
O sol impiedoso meus fantasmas rasgou
Serra do Molungu majestosa se fez manhã e brilhou

Hora de homenagem a São João da pracinha sai a procissão
Povo de muita fé e devoção
Confiança em São João muito amor no coração
Cânticos espalhados em forma de oração

Seguindo meu caminho deixei para trás aquele paraíso
Pequeno na geografia mas para quem o conhece, extenso
Tesouro por poucos conhecido no universo
Habitado por um povo de um coração imenso

JD / 032

quarta-feira, 16 de junho de 2010

GOOOL - POESIA VIDEO DE JOANA D'ARC M.A.MATA



Gool

A tarde é fria e o sol se esconde
A bola rola e é só aflição
O gol que tarde que crueldade
Olho na tela agüenta coração

Bola pra frente, todos a gritar
- vamos meninos este gol marcar!
Nas mãos as bandeiras sempre a agitar
Na espera da primeira vitoria comemorar

Na rua o transito uma loucura
Carros enfileirados quanta demora
Ônibus lotados nem se respira
A festa e nossa e é beleza pura

A bola pura e trave balança
A dificuldade faz a diferença
A moçada mostra perseverança
Pra frente Brasil de verde esperança

JD 031 /

sábado, 22 de maio de 2010

OPINIÃO - JOANA DARC M. A. MATA


Quem eu sou? Acho que não consigo descrever...
Mas quem sabe meus versos possam decifrar
Se sou esperança a cada amanhecer
Ou amargura quando a noite acaba de chegar.

Se sou mel em pingos de chuva
Aguardente das que fazem amargar
Estrada sinuosa com perigosa curva
Oásis perdido quase impossível de encontrar

Sou da criação perfeita imperfeição
Ingênua, incrédula e às vezes hipócrita
Ora rebelde às vezes acomodação
Senha secreta em porta sempre aberta

Sou tsunami, calmaria, brisa do entardecer
Sorriso de criança, olhos felinos, sabor de maçã
Feita do pecado com sede de querer
Sombra que refresca em febre terçã

Ousada sem convicção sempre tolhida
Navegando em sonhos impossíveis tentando se reerguer
Se de tudo isto sou um pouco, no fundo não sou nada
Uma vez que as circunstancias as vezes não nos deixa ser

JD:/ 030 = 05/2010

quarta-feira, 19 de maio de 2010

POR QUE ? - JOANA DARC MEDEIROS DE AZEVEDO DA MATA




Quando falas que me esquecestes completamente
E que o nosso amor não mais existe
Por que mostras em teus olhos que a melancolia persiste,
E em teu rosto um sorriso triste?

Por que para todos te mostras tão indiferente,
Se quando me abraças sinto esta chama ardente?
Por que não tentas lutar mesmo que por um instante
E junto a mim se libertar desta dor pungente?

Por que preferes tornar nosso caso tão complicado
Deixando -se levar por este ciúme exagerado
E optando assim por um relacionamento atormentado?

Pensa, nosso amor é infinito o que te falta é tomar uma atitude
Extrapolar preconceitos e romper com esta quietude
Para chegarmos ao prazer e a plenitude.

JD/: 029 = 05/2010

terça-feira, 18 de maio de 2010

QUIMERA - JOANA DARC MEDEIROS DE AZEVEDO DA MATA





No dia que nos unirmos definitivamente
Nossa vida será plena e bela
E assim poderemos cantar infinitamente
Nossa historia de amor numa expressão pura e singela

Quando eu for tua e tu fores meu
Vou a cada instante beijar a tua boca
Com a certeza que nosso amor é eterno e floresceu
Sem me importar que todos me julguem louca

E satisfazendo os teus desejos
Entre caricias e beijos
Esquecer a imensa dor que foi te perder

No entanto a cada noite de eterna espera
Quando amanhece vejo que este amor não passa de uma quimera
Mas o que fazer se continuo a te esperar...


JD./ 028 =05/2010

segunda-feira, 17 de maio de 2010

DIA INTERNACIONAL DA FAMILIA - JOANA DARC MEDEIROS DE AZEVEDO DA MATA





A família é a árvore poderosa
Que floresce a cada geração
É a confirmação da união e da grandeza
A força sagrada que sustenta uma nação

Sem a família não existe quem consiga
A vitória e o sucesso alcançar
Uma vez que ela é do amor a entrega
E a base que norteia todo caminhar

Deus permita que por mais que o homem cresça
Nunca esqueça suas raízes e procure sempre preservar
A família que é onde ele encontra força
Para de forma eficaz seus problemas enfrentar

E que Deus recolha em sua imensa misericórdia
Os que da sua família possam se perder
E a todos dê compreensão e tolerância
Não permitindo que tantas famílias venham se desfazer


JD/ 027 = 05/2010

sexta-feira, 14 de maio de 2010

SEM PRECONCEITOS - Joana darc Medeiros de Azevedo da Mata




Nosso caso não se resume apenas numa paixão
Entre nos existe uma infinita cumplicidade
Só não entendo porque deixar que a indecisão
Atrapalhe a nossa felicidade.

Nossa convivência se espelha na sinceridade
Nosso amor é puro e transparente
Com certeza nos acompanhara até a eternidade
Porque nossa historia é verdadeira e envolvente

Portanto vamos esquecer os preconceitos
Que só nos deixa deprimidos e insatisfeitos
E sem receio nos entregar a esta grande paixão

E com ousadia nos focar no tempo da felicidade
Uma vez que num grande amor detalhe é banalidade
Afinal, se nos amamos a idade pouco importa pra nos dois

JD./26=05/2010

segunda-feira, 29 de março de 2010

UNIFICAÇÃO - JOANA D'ARC M.A.MATA






Deus com grandeza e Sabedoria
Em seis dias fez o mundo
E no sétimo com a natureza em harmonia
Descansou Onipotente e Soberano

Ao homem Ele confiou à natureza
A natureza e ao homem o poder da fecundação
As fêmeas a fertilização e o milagre da multiplicação
E a todos os elementos vivos a sincronização

E em silencio a linguagem do Universo
Mostra sublime do Criador e criação
A exaltação da integração pela oração

E na comunhão do homem ao Verbo
Decodifica-se a linguagem do silencio
E a criação chega à oração em ato lírico

JD./03/2010

sexta-feira, 26 de março de 2010

GRITO DE ESPERANÇA - JOANA D'ARC M.A.MATA




Sinto-me Senhor, na tua presença
Quando tudo em minha vida parece sem sentido
Quando caminho sem saber se vou chegar
Quando o sorriso de uma criança me causa irritação

Percebo Senhor, que tuas mãos estão prestes a me soltar
Quando solitário, nos bares estou a me embriagar
A cada cigarro que aspiro sem com a minha saúde se importar
Quando, mergulho nas drogas correndo o risco de afundar

Vejo Senhor teu olho cheio de lágrimas
Lamentando os caminhos errados que insisto em trilhar
Por saberes de todas as dores que ainda tenho que passar
Pela perda irreparável de tua companhia

Sinto Senhor, que continuo a te crucificar
A cada centavo que roubo do meu irmão, para me drogar
Quando a violência me impede de raciocinar
Quando desesperado não consigo parar

Ouço Senhor teu soluçar
Pelo amor dos meus pais que eu continuo a desprezar
Pelo aconchego da família que por estranhos eu prefiro trocar
Pelas noites de baladas que contribuem para eu me desgraçar

Peço Senhor que não me abandones
Pois o teu amor é tudo que me resta
Ainda é em ti , que posso recorrer
E pela graça do Espírito Santo minha vida reverter

Ensina-me Senhor
A reconquistar o amor que eu perdi
A lutar com garra pela vida que abandonei
A saborear a Santa Ceia cujo sabor nunca esqueci

Usa-me Senhor
Para que eu seja um testemunho vivo de fé
Pra que o meu canto seja para te louvar
Para que eu encontre em ti o poder e a solução

Obrigado Senhor..
Porque na minha infância te conheci
À pílula da fé em outras ocasiões ingeri
E da sua infinita misericórdia nunca esqueci

JD./024 = 03/2010

quinta-feira, 25 de março de 2010

VULCÃO - POESIA E VIDEO DE JOANA D'ARC M.A.MATA

BOB MARLEY -

"A vida é para quem topa qualquer parada
Não, para quem pára em qualquer topada"
Bob Marley

HORA DE DESPERTAR JOANA D'ARC M. A. MATA






O tempo passa e sem nos avisar
Vai fechando as portas do presente
E numa ventania insana
Faz-nos chorar de angustia
E sem muitas opções
Em noites de amargor
A conversar com o luar

O tempo passa suave como o vento
E com a ilusão de frescor
Deixando-nos estagnados
Diante de um lago de antigas recordações
Com a falsa ilusão
Que novas portas não se abrirão

E a cada dia que passa
Agarramos-nos a velhas manias
Antigas recordações
A tal ponto que passamos a esquecer
Que da vida não somos o único habitante
Que solidão ocupa apenas o espaço da imaginação
E que a cada amanhecer novas portas se abrirão




JD./ 023 = 03/2010

VULÇÃO - JOANA D'ARC M. A. MATA




Minha pele em erupção
Queima
E entre lava e explosão
Revela
Um ser sem coração
Abandonada
Vivendo de saudade e recordação
A espera
De uma paixão que desequilibre sua precisão
Afim
De viver sem hesitação
Um amor
Sem medo nem frustração

JD./ 022 = 03/2010

quarta-feira, 24 de março de 2010

PARALELAS - BELCHIOR

HEURÍSTICA - JOANA D'ARC M.A.MATA




Astrologia
Estudo do espaço, astro
Poetologia
Um hábito num espaço escasso

Entre os astros, extraterrestre
Seres estranhos... Será?
Viajante, brilhante , mutante,
Ou simplesmente ilusão sonora

Exobiologia
Alienígenas,extravagância
Fantasia, ciência
Ilusão ou sabedoria.

E a poesia é exata, precisa
Ou desnecessária, pura fantasia
Poeta é racional, pensa,
Ou simplesmente um irrisório?

Afinal se o tempo não é constante
Uns preferem ufologia
Outros fantasiam a dor e consciente
Transformam lágrimas em poesia

E assim entre astros e pseudo razão
Os humanos com determinação
Adentram na contradição
Sem chegar a nenhuma conclusão

E sem entender, a poesia argumenta
Para que conhecer os extraterrestres
Se o convívio com humanos é tormenta
Por que não conhecer melhor os terrestres?
JD./021 = 03/2010

segunda-feira, 22 de março de 2010

GIRO AO IMAGINÁRIO - JOANA D'ARC M. A. MATA




Meu sonho é cerúleo
Numa existência negra
Com um olhar cinéreo
Vôo em doce quimera

Portanto passo a passo
Busco espaço
Num universo escasso
Sou centígrama, padeço...

Com imaginação ilimitada
Num poder limitado
Pensante única, inspirada
Começo sem fim marcado

E em constante giro na imensidão
Sou a explicação da contradição
Vôo paralaxe num universo de solidão
Sou o instante da hesitação

JD./ 020= 03/2010

sexta-feira, 19 de março de 2010

TRIBUTO A SÃO PAULO - JOANA D'ARC M.A.MATA





O que estão fazendo de ti formosa mulher?
inigualável modelo de elegância e nobreza
sempre pintada com as cores do poder
e ornamentada com colares de luz e beleza

não deixe destruir o teu orgulho
modelo progresso de capital
megalocidade ousadia e empenho
destaque no mercado mundial

Lembro com saudade das serestas que pela noite se espalhava
As margens dos teus rios de águas límpidas e claras
Águas vivas que matou a sede e deu vida a tantas vidas

Que pena minha musa quando lembro saudosa
Das noites que a lua ainda brilhava
Envolta na sua garoa tempestuosa

JD./ 03 =2010

quinta-feira, 18 de março de 2010

MAGIA DO OUTONO - POESIA E VIDEO DE JOANA D'ARC MEDEIROS DE AZEVEDO DA MATA

INSÕNIA - JOANA D'ARC M. A. MATA





Em noites tristes e de insônia
Sou empurrada pela nostalgia
E entre a incerteza e a agonia
Sorvo o gosto amargo da renuncia

Quando se faz manhã vagueando no jardim
Observo que as rosas perderam a cor de carmim
Pálidas anunciam do amor o fim
E silenciosas convidam-me a fugir de mim

Em pensamento fujo para distante
Na esperança de não conseguir me encontrar
De esquecer a vida, ficar inerte, estancar
E do meu peito, esta dor insana arrancar.

Para fugir da terra e no infinito me libertar
Tento traçar o meu próprio vôo e saltar
Buscando no limite do inconsciente planar
E quem sabe em outra dimensão me encontrar

JD:/ 19 = 03/2010

quarta-feira, 17 de março de 2010

QUEIXAS - JOANA D'ARC M.A. MATA




Tento te envolver passo a passo
Mas em desilusões tropeço
E assim me abrindo em compasso
Pouco a pouco do teu amor me despeço

Pincelando com decepções desmedidas
E resquícios de paixões que o tempo apagou
Teclo versos com lágrimas perdidas
De ilusões que o mar da tristeza afogou

E nesta ilusão de amor me faço crer
Que o amor precisa da fantasia para viver
E de ardente anseio para não se desfazer

Enquanto isto, entre a desilusão e a descrença
Percorro teus domínios e numa louca andança
Continuo te amando irracional e sem esperança

JD./018 = 03/2010

segunda-feira, 15 de março de 2010

Cursos Profissionalizante GRATUITOS

CONSTATAÇÃO - JOANA DARC M.A.MATA







Quando conhecemos Jesus
Somos trabalhados com convicção
Purificamos nosso coração
E modificamos nossa atuação.


Quando caminhamos com Jesus
Descobrimos a verdadeira razão de viver
Aprendemos a perdoar e esquecer
E com as diferenças conviver


A amargura de nossa vida será banida
O Espírito Santo em nosso coração terá sua morada
E a derrota do inimigo será sempre confirmada

E assim confiando no Criador
Conhecemos o verdadeiro sentido da solidariedade
E buscamos a cada amanhecer a santidade


JD./ 017= 03/2010

quinta-feira, 11 de março de 2010

MARCAS DO TEMPO - POESIA E VIDEO DE JOANA D'ARC M.A.MATA

INSÓLITO - JOANA D'ARC M.A.MATA





INSÓLITO

Digo-me professor, mas sou aprender
Assimilando do conhecimento, fragmentos
Na verdade sou um pequeno ser entre tantos
Um caso raro a esclarecer

Escrevo para um futuro pos-moderno
Numa linha inábil de forma inadiável
Sou adepta, mas critico o consumismo
Não sei quem sou se sou imprevisível

Prego a luta pela união
Vejo-me sempre em comunhão
No meio de um turbilhão
Sou uma pacifista na solidão

Habito um mundo que desconheço
Navego em idéias gosto de divagar
Meu verso não tem limite nem endereço
Meu passatempo e nas palavras escorregar


JD./ 016 = 03/2010

quarta-feira, 10 de março de 2010

CONTROVÉRSIA - JOANA D'ARC M.A.MATA



CONTROVÉRSIA



Sou o que difere
Sonho e me projeto
Tente me decifrar, se prefere
Sou mar revolto, vendaval, sou deserto

Vivo em terra firme
Mas estou sempre a navegar
Há quem afirme
Que não vivo, vivo a sonhar

Enfim, busco a simetria
Num mundo material
Na imaginação ideal

E quando em versos descrevo
Escrevo, confirmo
Idealizo e afirmo.

JD./ 015= 03/2010

terça-feira, 9 de março de 2010

FALANDO DE FÉ - JOANA D'ARC M.A.MATA






Quando falamos na fé de um cristão
Estamos falando de fatos concretos e com convicção
Trata-se de uma arma possante e de precisão
Medida pela grandeza e não pela extensão.

A fé é a chama que acende o coração
É clareza é luz é constatação
É qualidade de vida é a forma é ação
É o que define a conduta de um verdadeiro cristão

Se nos armarmos com fé, nossos inimigos por terra cairão
E em quase todas as ocasiões a vitória será certa, mas valer lembrar
Que Deus não nos permitira derrubar algumas barreiras que surgirão
Pois ele tudo sabe,é senhor dos exércitos e sua vontade sempre prevalecera

Um dos mais belos exemplos permitidos pelo criador
Que explica a fé na busca do amor
É o exemplo vivo de perseverança e determinação
Deixado como prova de fé por Abraão

Com certeza todo aquele que crê
A voz de Deus será ouvida em seu coração
Sua trajetória será dirigida pela fé
E alicerçada com alegria, vitória e compreensão

Portanto aquele que opta para a sua vida a Deus entregar
E segue as escrituras com sabedoria e obediência
Com tamanha transparência
É possível a fé materializa


JD./ 014 = 03/2010

JORNADA AO INCONSCIENTE - JOANA D'ARC M.A.MATA






Gostaria de aprender fotografar o mundo
Com a lente do coração
Para não captar dos homens o olhar avinhado
Suas dores, incertezas e hesitação.

A cada anoitecer aprender a fechar os olhos
E imersa na escuridão da noite
Vislumbrar um amanhecer de luz sem cepticismos
E crê que no peito do homem, brota o amor a cada instante.

Resignar-me a cada injustiça sofrida
Sem, no entanto me deixar levar pela acomodação
Compreendendo que não foi em vão a estrada percorrida
E que para o insucesso sofrido fica sempre uma grande lição.

E desenvolver em mim a consciência
Que meu caminhar segue do nada para o tudo
E que a cada dia que passa de mim sou o fruto da essência
Para no final encontrar o meu eu mais profundo


JD./ 013 = 03/2010

sábado, 6 de março de 2010

UMA HOMENAGEM A MULHER - JOANA D'ARC M.A.MATA




Primeiro vem a menina
Depois a moça faceira
Carinhosa e feminina
Ser mulher é ser guerreira

Ardente apaixonada
Ora conselheira ora companheira
Confidente, amiga ou mãe abnegada
Ser mulher é ser ternura

Na busca pela sobrevivência
Às vezes cruelmente tolhida
Muita coragem e competência
Ser mulher é muitas vezes, ser incompreendida

Sempre pronta para lutar
Destemida, competente
Sempre sabe onde e como chegar
Ser mulher é ter jeito frágil e alma valente

Toda mulher nasce guerreira
Espalha ternura
E mesmo incompreendida
Embora fragil é destemida.





JD/012 = 03/2010

sexta-feira, 5 de março de 2010

HACHURA - JOANA D'ARC M. A. MATA







Minha tristeza é desmedida
Meus versos são puro pranto
Entre o prazer e a amargura sou dividida
Por vezes amante ardente outra desencanto

A cada dia meu coração
Despedaça-se em amargura
Padeço imersa na desilusão
Vivo na incerteza, mas sou procura

E aos meus versos feitos de renuncia
Pincelo a esperança e a angustia
Com matizes de audácia e relutância

E com a alma ardente tento encontrar
A força exata para estancar
Esta angustia que punciona meu peito até sangrar


JD// 011 = 03/2010.

quinta-feira, 4 de março de 2010

FESTA VIRTUAL- JOANA D'ARC M.A.MATA






Quanta festa, quanta alegria,
Abraços em demasia,
Poesia no ar que contagia
A Gloria num brinde sofisticado, que ousadia!!!

Aos muitos chegam os convidados
Com flores de todas as cores
Todos, muito animados
E a aniversariante bailando entre as flores

Pensei que estava atrasada
O calendário já marca outro dia
Mas a homenageada e avessa a nostalgia

E embora tendo raiado outro dia
Estou aqui e quero festejar
E com poesia este momento eternizar.

JD// 10 = 03/2010.

Porque você é eterna, é doçura, é poesia,é futuro e é a GLÓRIA.
E que Deus nos conceda muitos anos de vida para juntas orkutando, blogando, poetando e corintiando, comemorarmos novos aniversários.Beijos

terça-feira, 2 de março de 2010

BRINCANDO DE CONTAR HISTORIA - JOANA D'ARC M.A.MATA


BRINCANDO DE CONTAR HISTÓRIA – Reescrita de “MULHERES DE
CORAGEM” (ROCHA, RUTH), FDT




A história que eu vou narrar se passou na Alemanha
Na época que os poderosos reis invadiam os castelos
As crianças afastadas causavam uma tristeza tamanha
E as mulheres ficavam com os maridos para encorajá-los nos duelos

O Imperador Conrado III junto com sua tropa
Invadiu o castelo do Rei Wolfo VI
Foi uma guerra terrível e durou um bom tempo
E causou sofrimento, muita dor e pouco alimento

Dois anos passou e a guerra não terminou
Com isto as conseqüências não tardaram à aparecer
Com muitos ferimentos a saúde dos soldados piorou
E as mulheres angustiadas pensavam o que poderiam fazer

No castelo a derrota já era fato um consumado
E a conseqüência seria a humilhação até a morte
Mas o imperador com a coragem das mulheres impressionado
Resolveu lhes dar uma chance e mudar-lhes a sua sorte

Antes da invasão as mulheres seriam libertadas
E poderiam carregar comsigo o que tivesse de mais precioso
Teria também a sua palavra que não seriam molestadas
E os soldados seriam educados e respeitosos

Astuciosas as mulheres logo se puseram a pensar
Num plano sem risco para os companheiros libertar
E logo não tardaram a encontrar
A forma perfeita para deles não se separar

Quando o dia amanheceu
Uma bandeira branca apareceu
Uma mulher para falar com o imperador, se ofereceu
E ele apreensivo e curioso a recebeu

Pediu para que ele confirmasse o que havia prometido
E ele aborrecido falou com precisão
- O que eu ordeno aos meus súditos é sempre cumprido.
E ela se retirou agradecendo a sua compreensão

Não tardou muito a chegar a hora da partida
E as mulheres entusiasmadas logo apareceram
Orgulhosas e altivas em sua caminhada
E seus inimigos atônitos silenciaram

Arrastavam em seus braços os companheiros
Alguns tão doentes que mal podiam caminhar
Com olhares amedrontados e passos inseguros
E elas com passos firmes sem se deixar intimidar


Diante de tal cena nem precisa descrever
A perplexidade do imperador Conrado
O que as mulheres foram capazes de fazer
Deixou-lhes inteiramente pasmado

Os guardas intrigados se olhavam
E sem duvida nada podiam fazer
Pois elas com habilidade afirmavam
- Meu marido é minha jóia preciosa e meu bem querer

Conrado III bem depressa tratou de se safar
Da situação constrangedora que acabava se entrar
E pra evitar maior confusão
Tratou de usar a imaginação

Mas as mulheres voltaram a entrar em ação
Ao imperador, entregaram uma proposta
Sugeria a Paz como única solução
E sem muita alternativa ele disse sim como resposta

E foi assim que a paz voltou a reinar
Ali mesmo em frente ao castelo
E alegres todos passaram a se abraçar
Comemorando o fim da guerra, que só trazia flagelo.

JD// 09=03/2010

NOSTALGIA - JOANA D'ARC M.A.MATA



Domingo molhado
Dor que tortura
Chuva caindo
Tarde que chora.

Rosas caídas
No ar... despedida
Ilusões perdidas
Na mente a partida

A tristeza impaciente
Junto a chuva displicente
Goteja insistente

Momentos de incertezas
No chão as rosas
Testemunhas silenciosas.


JD// 08= 02/2010

BOCA MALDITA - JOANA D'ARC MEDEIROS DE AZEVEDO DA MATA



......................Ta Boca maldi........................
...............Dita Boca mal Boca mal dita.................
............Mal Boca mal e maldita e mal dita..............
.........Boca mal e maldita e mal dita dita dita..........
...............Boca mal e maldita e mal dita...............
...................Mal Mal dita boca....................
......................Maldita boca........................



Sinto fome
Fome que impressiona
Pela sua vontade de devorar
Enlouquecedora fome
Fome tal
incontrolável
dominante
Fome incomensurável
Compulsiva,
Infinita
Maldita
Dita que é
Incontrolável
Tal fome de viver
Sedenta com a fome do saber
desenfreada como a fome do poder
O poder de ter
Ter para poder saber
Saber para poder amar
Amar sem medo de transpor a linha do poder
Que devorar com força e fome o querer
De dentes afiados e desconexos
Esmagando do amor o querer
Maldita fome
De querer

JD//. 07-02/2010

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

JUNÇÃO - JOANA D'ARC M.A.MATA




Uni verso
Avesso
No universo
Escasso
E ajude a poesia
Que tocada à nostalgia
Tentou salvar a alegria
Que de tristeza ardia
Na chama crucial
Acesa no mistério essencial
Destruindo em ato final
O amor em estágio terminal

Separe a razão da utopia
A felicidade da nostalgia
A alegria da melancolia
Para que o amor ora carente
Renasça veemente
No coração pungente
Do amante descrente
JD./ 06 = 02/2010.

quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

HARMONIA - JOANA D'ARC M.A.MATA




A vida esta sempre nos dando chance
A cada tropeço fica sempre uma lição
A felicidade esta sempre ao nosso alcance
O mais importante é caminhar sem hesitação

A cada amanhecer é preciso desprezar
As incertezas que insistem em nos acompanhar
E com um sorriso, a amargura transformar
E em nosso intimo a dor da saudade libertar

Em nossa rotina incluir como obrigação
Falar a verdade seja qual for a ocasião
Agradecer a Deus em oração
E procurar excluir do nosso cotidiano a palavra não

Escolher com critérios que tipo de dia, queremos ter
Lutar com ousadia e as derrotar abater
Se um amigo nos decepcionar nunca esquecer
Que outros amigos somos capazes de fazer
JD./ 005= 02/2010

terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

MILCA- JOANA D'ARC M.A.MATA


Às vezes esquecemos o poder da oração
Para nos deixar levar pela voz do coração
E assim guiados pela emoção
Seguimos em qualquer direção

O resultado de uma atitude impensada
Ou mesmo de um gesto impulsivo
Tornamo-nos uma pessoa amargurada
Ou do verdadeiro amor um fugitivo

Nas mais diversas situações
Mesmo que se em inusitadas ocasiões
Deus sempre nos mostra varias opções
Para que a iniquidade não determine nossas ações

Esta é a lição deixada por Milca mulher de Naor
Pureza de sentimentos e fidelidade ao Criador
Semeando na sua geração a semente da fé
E aos seus filhos ensinando o caminho do verdadeiro amor
JD./004=02/2010

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

ATIREI O PAU NO GATO - JOANA D'ARC M.A.MATA


Meu gato e muito engraçado
Às vezes ele parece um pouco atrapalhado
Esta sempre nos meus pés, enroscado
E se ralho com ele, fica de focinho amuado

Certa manhã, fiquei nervosa nem sei explicar
Não sou violenta podem acreditar
Mas quando me dei conta estava a gritar
Foi uma loucura, não deu pra segurar

Ele corria alvoroçado atrás de um rato
E embora sabendo que isto é normal num gato
Fiquei desesperada e pra o meu espanto
Acabei cometendo um ato insensato

Furiosa, agarrei um cabo de vassoura
E arremessei com a fúria de uma fera
Meu gato escapou por pouco e com doçura
Veio lamber meus pés, cheio de ternura

O rato também foi salvo por bem pouco
E eu envergonhada nem percebi o alvoroço
A minha vizinha para o meu desconforto
Assistiu a cena e me colocou no maior enrosco

Horrorizada com a minha crueldade
E invadindo a minha privacidade
Acusava-me de falta de sanidade
E gritava que eu era incapaz de viver em sociedade

Ameaçou ligar para a SPA e me denunciar
Se outra vez meu gato eu tornasse a espancar
Eu encabulada tentei explicar
Mas ela super nervosa nem me deixava falar

O pior é que o gato que já estava assustado
Acabou nos deixando atordoado
Soltou um miado estridente e ardido
E sem saber pois fim naquela briga sem sentido

Expliquei pra vizinha que meu nome não é Chica
Nem ando armada de pau
Mas vou confessar, a coisa se complica
Quando vejo um rato correndo no quintal


Abraçada ao meu gato depois de explicar
Que a minha intenção era o rato afugentar
Coloquei o gato na cama, pois não parava de roncar
E fiquei ouvindo a vizinha que não parava de se desculpar
JD./003=02/2010

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

QUANDO TERMINA O CARNAVAL - Joana d'Arc M.A.Mata


Nublam-se os olhos em lágrimas de saudade
A ilusão em cinza se desfaz
Aos poucos se cristaliza da vida a verdade
E o devaneio a curto instante jaz

A bailarina continua querendo ser feliz
Já sem máscara e fantasia
De atriz passa a aprendiz
E sem deleite bebe da rotina a nostalgia

Sua dança agora é sem musica
Sua alegria é sem rima e sem métrica
E a sua voz é cansada e rouca

Da passarela foge o dinheiro e o amor
Seu compasso passa a ritmo de clangor
E sem euforia seu caminho é sem fulgor
JD./002-02/2010

quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

BUSCA- JOANA D'ARC M.A.MATA




Emersa no imaginário mar esverdeado
Mergulho minhas amarguras transparentes
Misturando-se as nuvens cinzas
Que pincelam de azul
Meus pensamentos negros
E nesta confusão de cores
Perco-me no caos da minha insignificância
Procurando me encantar
Com novas cores
Para colorir minha vida
E com novos amores
Para dar um significado ao meu viver.


JD./ 001-2010
Related Posts with Thumbnails

Arquivo do blog